sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Zero

Lembro-me da primeira vez que eu tirei zero, fiquei bem feliz até, alias era só um zero, na verdade foram os três primeiros zeros, tudo em um dia só, é muita felicidade junta. Já no terceiro eu estava soltando fogos, comemorando e bebendo um champanhe francês. Que saudades dos velhos tempos do Ferreira Viana, de seu saudoso paredão, de suas árvores, que sombras deliciosas; de seus arredores, a Confraria do Bode Cheiroso, a Rua Luís Gama, o China; que saudades daquele hiato de três anos muito bem vividos e aproveitados. Foi também no Ferreira que eu entrei técnico em mecânica e sai jornalista, tudo por causa dos zeros.
Sabe o que é você poder ver o seu futuro esculpido nas caras dos outros. Aquela cara de zero, cansada de ver zero, mas que tem muitos zeros em sua conta. Percebi que não era aquilo que eu queria para mim e nessa eu tratei de me debandar de lá. Zero!
O zero para mim é um numeral mal compreendido. Por muitas questões ele foi se excluindo da sociedade. Essa segregação ocorreu só porque o zero responde por coisas incoerentes como: o final da comida, estabilidade das coisas, o término do dinheiro, negação da existência de Deus, e o mais e menos importante a crise pela estiagem da cerveja na minha singela mass de um litro. E por essas questões esse redondo número recebeu tais conotações de ser o semeador do caos e da discórdia, de ser um terrorista, ou um revolucionário, ou coisa que o valha. O que mesmo importa é que ninguém gosta de zero! Todos aprenderam que tirando zero eles não iam passar de ano e que a mamãe não ia ficar muito feliz, que com zero reais não se pode comprar nada, que com zero por cento de álcool ninguém pode ficar bêbado, e que o zero a esquerda não vale nada! Mas ai você fica mais velho e aprende que zero atrito é bom, que com zero a substância ta equilibrada, que no ano zero nasceu Jesus, ou seria no ano um? Que depois de uma epopéia numérica de quatro folhas achar zero quer dizer que a porra da treliça esta equilibrada e pronta para o uso! Maldito método dos nós! Maldito Bernoulli! Nessa também você vai comprar um carro a sei lá quantas mil parcelas a zero por cento de juros, até parece nessa compra ad eternum não há uma sacanagem no meio de tudo.
Esse paradigma tinha que ser quebrado as pessoas deviam ficar felizes com essas coisas simples da vida. O jovem brasileiro devia ficar feliz no dia que se tira zero na prova de matemática, que a seleção fez zero gol, na França, na seleção da Holanda, e que o índice de roubos em Brasília caiu para zero.

5 comentários:

  1. Kyo <--- Clique para ir pro meu orkut!20 de agosto de 2009 17:20

    Bem. Talvez ele tenha sido excluido tb pela dificuldade das pessoas em fazer círculos à mão livre. Uma teoria tão interessante quanto a da relatividade.

    ResponderExcluir
  2. ZERO pra esse post hahaha, eu não lembro quando tirei meu primeiro zero cara.

    ResponderExcluir
  3. Acho que foi bem aceita! *---*
    Gente nem fala em zero ç.ç

    ResponderExcluir
  4. É eu também já tirei zero no ferreira, acho que depois de um tempo a verdade é que a gente se acustuma!

    Péta

    ResponderExcluir
  5. Foi também no Ferreira que eu entrei técnico em mecânica e sai jornalista.
    Valeu a pena vaaii ?? =D
    Taí agora, escrevendo essas coisas bonitas =)
    Gostei. Faz lembrar...

    ResponderExcluir